17.4.08

Grateful & Sisters by Heart

Grateful

Antes de mais... Obrigada pelo vosso carinho!
Hoje estou valentemente mais descansada: a eco de ontem correu bem, assim como a viagem e a companhia. Ah! E ainda tive direito à visita relâmpago de uma grande amiga/colega, lá no Espaço. Soube muito bem!

O suspense, durante a ecografia, foi uma constante. A testa franzida, a pensar no maridão, a olhar para a minha Mãe, a tentar perceber o que estava no écrã, a sorrir quando percebia, a deixar as lágrimas correr quando vi a carita. A aguardar que a médica terminasse e quebrasse aquele silêncio, com boa notícias.
De cabecita para baixo, tudo está bem!!! "A nível de gordura, um bocadinho abaixo da média, mas tudo bem!" e eu a conter as lágrimas que, nessa altura, eram de pura de felicidade. A Dr.ª Lubélia (médica que fez a eco) explicou que cerca de 40% das mulheres tem a placenta anterior (à frente) e que o cuidado a ter é com eventuais pancadas. A forma como o disse (também ela é ginecologista-obstetra) ajudou a sossegar-me também a esse nível.
Na próxima 4ª feira temos, então, consulta. Vi ontem a Dr.ª Elvira, mas nem falámos. Vinha acompanhada da Dr.ª Teresa e lá sorri eu (e ela a mim). Tenho de igualar, pelo menos, esta empatia, com a Dr.ª Elvira, caramba!

Ainda ontem, tive umas impressões nas virilhas (tipo dorzinha de período), acompanhadas da barriga bem dura. Sentei um bocado e passou.
Hoje acordei com a mesma impressão, quase mal-estar, pois tinha alguns suores. Lá coloquei a minha mão quente e massajei devagarinho, enquanto respirava suavemente. Também passou :O)
Quero muito ter a minha filhota nos braços (sim, voltou-se a confirmar que é uma menina e acho que estamos cada vez mais perto de encontrar um nome), mas só daqui a um mesito e meio ou dois, que é sinal que tudo continua a correr bem para nós e ela a nascer sem pressas.

Estamos nas 32 semanas, com muito amor!

Sisters by heart

Quanto à minha irmã, liguei pouco depois de estar aqui a escrever o último "post".
Como não sabia como tinha decorrido a consulta, achei por bem respeitar as primeiras horas que se seguiram, tendo em conta ela não dar sinal (como sempre faz). Às vezes também queremos que o telefone não toque e eu sei bem disso, assim como o contrário (tal como dizes, Isa).

O facto é que a primeira reacção foi de quem não queria falar e pouco explicou. Mas bastou "puxar com carinho" e foi ouvi-la falar e contar tudo o que viveu e estava a sentir naquele coração angustiado. Afinal, "mana é mana" e sempre fomos muito ligadas. Só eu sabia da consulta e ela precisava falar com mais alguém para lá do meu cunhado. Uma mulher e que a compreendesse bem!
Para angústia dela, ao chegarem lá, souberam que a médica que os acompanhou até então, já ali não trabalhava. A isso, acrescente-se não haver nenhum outro médico encarregue do processo deles e não terem conhecimento da consulta daquele dia...
Ainda nós falamos de Portugal...
Lá aguardaram um bocado e foram atendidos por um médico que nunca tinham visto, que a minha irmã não sentiu ser competente, "falava como uma cassette, tipo recém-licenciado" e colocou a hipótese (ao contrário das outras 2 opiniões que tinham) de IIU.
Como ela disse: "Soube bem ouvir a hipótese de IIU, mas acho que ele nem sabia bem o que nos dizer e será, quase de certeza, uma perda de tempo como os outros alertaram".
Concluindo, sem o resultado sequer do exame genético feito há mais de um mês (mas do qual eles tinham conhecimento) e, dado que as análises à tiróide confirmaram esta já estar regulada, terá terminado a consulta dizendo que vai tentar propôr o caso deles na reunião de final de Maio.

A rapariga estava furiosa, basicamente. Atrás dessa fúria, cheirava a desespero e desilusão.
A não confiança no médico era notória (mesmo para quem não a conhecesse), a hipótese de IIU uma surpresa tipo "pau de dois bicos" e o saber que não é garantido sequer o caso ir a reunião em final de Maio...
Ouvi muito-muito, fui dizendo algumas coisas e dei-lhe todo o apoio que sei dar.
Confesso que me apeteceu "trazê-los para cá" uns meses, pois ali parece ser tudo um pouco estranho e muito espaçado (tendo em conta que é pago e bem pago!!) e ela não tem lá com quem falar e se abrir, a não ser o meu cunhadão. Mas sabemos que , tantas vezes, não chega.

Agora fico a torcer para que ela consiga concentrar-se nas outras actividades da sua vida, até daqui a um mês e meio e que, nessa altura, tenhamos boas notícias: nem sinal vermelho, nem laranja, mas sim VERDE!

6 comentários:

amora disse...

Minha querida,

primeiro que tudo fiquei muito feliz de trazeres apenas boas notícias da tua bebé. O tempo caminha rápido e já falta muito pouco para teres contigo a tua menina. Acredita que sei bem o que é ser ansiosa :-) Torço muito por ti!
Segundo queria tb desejar muita sorte para a tua irmã, que além de passar por esta luta inglória, está afastada dos mimos da família. Um beijinho para ela

E por último, fico contente de teres gostada da Rita Redshoes. Tem uma voz e presença muitos bonitas e acho que vai marcar presença pela diferença.

e agora resta-me deixar-vos a ti e à tua bebé mtos beijinhos

Sonia&Mi disse...

Ainda bem que está tudo bem, durante a gravidez passamos por diversos estádios de ansiedade, mas é uma das alturas mais felizes da nossa vida, a concretização de um sonho, muitas vezes demorado, como foi tb o meu caso.
Desejo igualmente que corra tudo bem com a tua irmã. Essas dorzinhas que sentes nas verilhas, esse endurecer da barriga, é tudo normal, a bébé encaixa-se e as contrações de braxton hicks geram essa rigidez, é normal.

um beijo enorme, e tudo de bom!

IC disse...

beijinhos para as três tu a tua filhota e atua mana.

Pimpo & Pimpa disse...

Tens um miminho no meu cantinho.
Bjs Cláudia

Kitty disse...

Fico feliz pelas tuas boas notícias!
Desejo tudo de bom para a tua irmã!
Beijinho

Pimpo & Pimpa disse...

Assim como recebo também gosto de dar.
Tens outro miminho no meu cantinho.
Bjs Cláudia